Entre em contato

Caso tenha dúvidas, críticas, sugestões ou simplesmente queira entrar em contato, preencha o formulário e clique em "Enviar".
  • LinkedIn Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • Instagram
  • Twitter Social Icon
  • YouTube

© 2019 por Daniel Takata.

Buscar
  • Daniel Takata

Desmistificando crenças do futebol com estatísticas

Atualizado: 12 de Dez de 2019

Nós não acreditamos em algo porque o vemos. Na verdade, só vemos algo quando acreditamos naquilo.


Essa frase, assim como as análises apresentadas neste texto, foi retirada do livre Os Números do Jogo - Porque Tudo o Que Você Sabe Sobre Futebol Está Errado, de Chris Anderson e David Sally.



Diz muita coisa sobre como nosso cérebro funciona. Muitas vezes, não nos preocupamos em analisar os fatos e dados para confirmar ou refutar uma crença. E sim enxergamos apenas os fatos que confirmam aquilo que queremos acreditar.


E no esporte, como na vida, isso acontece aos montes.


Uma das crenças difundidas no futebol é a de que que os times são mais vulneráveis logo depois de marcar um gol. É uma ideia conhecida no futebol no mundo inteiro. Praticamente uma verdade absoluta.


Exceto pelo fato de que os dados de forma alguma corroboram tal tese.


Os pesquisadores Peter Ayton e Anna Braennberg, da City University de Londres, analisaram jogos da Premier League que terminaram 1 a 1 e observaram os momentos do primeiro gol e do gol do empate.


Se a crença fosse verdadeira, a maior parte dos gols de empate deveria ter ocorrido logo depois do primeiro gol.


Os acadêmicos dividiram o tempo que restava de jogo após o primeiro gol em quarto quartos. Esperava-se que a maioria dos gols de empate sairia no primeiro quarto de tempo. Mas foi o contrário: menos de 20% dos gols de empate ficou no primeiro quarto, enquanto em cada um dos outros três quartos houve mais de 25% de ocorrências.


Confira no gráfico a seguir.

Difícil acreditar que os times ficam mais vulneráveis logo depois de marcar um gol depois de tal estatística.


Outra ideia arraigada na mente do futebol tem a ver com os escanteios que os times conseguem.


José Mourinho, consagrado treinador português, certa vez disse: "quantos países vocês conhecem onde um escanteio é comemorado da mesma forma que um gol? Um. Isso só acontece na Inglaterra."


José Mourinho (foto: AFP)

Ele tem razão. Na Inglaterra, escanteios são comemorados como se fossem chances claras de gol.


Será que é para tanto?


Há uma correlação entre as finalizações em gol e número de escanteios - times que chutam mais ganham mais escanteios.


Mas times que ganham mais escanteios não necessariamente marcam mais gols. Veja com seus próprios olhos.

Em 134 partidas da Premier League de 2010-2011, em 1434 escanteios, foi verificado que 20,5% dos escanteios levava uma finalização a gol - um em cada cinco. Ou quatro a cada cinco não levava a uma finalização. E somente uma finalização dessas a cada nove resultava em gol.


Um escanteio vale aproximadamente 0,022 gol em média - um time da Premier League faz um gol de escanteio a cada dez jogos!


Não é de se espantar que o Barcelona tenha abolido do escanteio como o conhecemos há muito tempo, preferindo usá-lo como oportunidade de conservar a possede bola, e não de lançar a bola na área. O valor dos escanteios é quase nulo. E ainda considerando um risco de contra ataque, de pegar a zaga desprevenida pelos zagueiros estarem tentando gols de cabeça, o risco pode até aumentar.


Os números podem nos ajudar a ver o jogo sob uma luz diferente. Aquilo que sempre fizemos não é necessariamente aquilo que devemos fazer.

106 visualizações