Entre em contato

Caso tenha dúvidas, críticas, sugestões ou simplesmente queira entrar em contato, preencha o formulário e clique em "Enviar".
  • LinkedIn Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • Instagram
  • Twitter Social Icon
  • YouTube

© 2019 por Daniel Takata.

Buscar
  • Daniel Takata

Liverpool jogou bem abaixo da média. E deve muito do título a Alisson


Alisson e o troféu da Liga dos Campeões (foto: Getty Images)

No último domingo, o Liverpool sagrou-se campeão da Liga dos Campeões da Europa pela sexta vez.


A final foi disputada contra o também inglês Tottenham, com vitória por 2 a 0.


Foi a consagração do treinador alemão Jurgen Klopp e de seus craques, como Mohamed Salah, Virgil Van Dijk, Sadio Mané, Roberto Firmino e outros, que estavam na derrota na final contra o Real Madrid, no ano passado.


Desta vez, o Liverpool chegava com ligeiro favoritismo, após eliminar de forma história o Barcelona, de Messi, nas semifinais (reverteu uma derrota por 3 a 0 no jogo de ida com um 4 a 0 na volta).


(não se pode esquecer que o Tottenham também se classificou de maneira histórica, ao vencer o Ajax por 3 a 2 em Amsterdam de virada, com um gol no último minuto)


Por isso, esperava-se uma final empolgante, espetacular, emocionante.


Não foi o que se viu. Principalmente no primeiro tempo, o jogo foi pragmático, modorrento.


E o Liverpool apresentou-se longe da eficiência dos outros jogos. Os números mostram.


Trocou 175 passes certos, contra uma média de 430 em seus outros jogos no torneio. O Tottenham acertou 408.


Acertou 64% dos passes, enquanto seu menor índice até a final havia sido de 74%. O Tottenham teve um índice de 80%.


Teve a bola em apenas 36% do jogo. Sua média no torneio era de 51%.


Teve apenas três finalizações em direção ao gol, contra oito do adversário.


Uma partida do Liverpool muito abaixo de sua média. Mas o time contava com o goleiro brasileiro Alisson.


Suas oito defesas, sendo ao menos quatro difíceis, foi o maior número em um jogo do mata-mata dessa Liga dos Campeões.


Desde 2004, um goleiro não faz mais que oito defesas na final do torneio.


Sua atuação foi celebrada pelo treinador Klopp, pelos companheiros e por todo o mundo.


Não é para menos. Em um Liverpool com um desempenho efadonho, Alisson foi o fator de desequilíbrio. Os números mostram.


No vídeo a seguir do canal Esportístico no YouTube dou mais detalhes sobre as estatísticas da partida.





40 visualizações