Buscar
  • Daniel Takata

O excepcional resultado de Darlan Romani e as estatísticas do Mundial de Atletismo


Darlan Romani (foto: Wagner Carmo/CBAt)

O Campeonato Mundial de Atletismo deste ano, realizado em Doha, no Catar, foi finalizado no último domingo, dia 6.


Como sempre, um dos principais eventos do calendário esportivo. E, nesse caso, de particular importância por tratar-se de uma espécie de prévia para os Jogos Olímpicos de Tóquio, no ano que vem.


Apesar de ter sido o primeiro Mundial de atletismo sem a presença da lenda Usain Bolt desde 2003, não faltaram destaques.


Tanto que, de acordo com a Federação Internacional de Atletismo (IAAF), esse foi o Mundial mais forte da história.


Mas com base em que critério?


Vamos chegar lá.


Não se esqueça de conferir o vídeo sobre o tema no canal do Esportístico no YouTube.



Antes disso, precisamos falar de Darlan Romani.


O brasileiro do arremesso de peso é um dos principais atletas do país na atualidade.


E o mais consistente atleta do atletismo do Brasil nos últimos anos.


Com seu recorde sul-americano de 22,61m, ele está nada menos que em 11º no ranking de todos os tempos da prova.


E, por isso, chegou como um dos favoritos a medalha ao Mundial.


E ele não decepcionou. Com um arremesso de 22,53m, superou o recorde de campeonato.


Ou seja, teria conquistado a medalha de ouro em todos os Mundiais anteriores.


Não só isso, teria obtido também a medalha de ouro em qualquer edição de Jogos Olímpicos.


Só que, em Doha, ele terminou na 4º posição, em uma prova de nível técnico insano.


O americano vencedor, Joe Kovacs, arremessou 22,91m, e o outro americano Ryan Crouser, campeão olímpico, e o neo-zelandês Thomas Walsh arremessaram 22,90m.


A prova foi tida, por unanimidade, como a mais forte do campeonato.


Ao final do evento, a IAAF divulgou uma tabela com os 5 desempenhos mais expressivos do Mundial.


São esses:

Masculino Joe Kovacs (EUA) – arremesso do peso – 22,91m – 1.295 pontos Tomas Walsh (NZL) – arremesso do peso – 22,90m – 1.294 pontos Ryan Crouser (EUA) – arremesso de peso – 22,90m – 1.294 pontos Christian Coleman (EUA) – 100m – 9s76 – 1.291 pontos Steve Gardiner (BAH) – 400m – 43s48 – 1.289 pontos


Feminino Malaika Mihambo (ALE) – salto em distância – 7,30 m – 1.288 pontos Salwa Eid Naser (BRN) – 400m – 48.14 – 1.281 pontos Shaunae Miller-Uibo (BAH) – 400m – 48.37 – 1.272 pontos Sifan Hassan (HOL) – 1.500m – 3min51s95 – 1.271 pontos Katrina Johnson-Thompson (GBR) – heptatlo – 6.981 pontos – 1.269 pontos


Ou seja, no masculino, os três desempenhos mais fortes do Mundial foram conseguidos pelos três primeiros colocados no arremesso de peso. Realmente insano!


No feminino, o melhor desempenho foi da alemã Malaika Mihambo, no salto em distância, autora do 4º melhor salto obtido neste século.


A alemã Makaila Mihambo, estrela do salto em distância (foto: Kai Pfaffenbach/Reuters)

E como a IAAF chegou a essa lista?


Ela utiliza uma tabela que atribui pontos a cada performance. A tabela permite comparar desempenhos de provas diferentes.


Não tive acesso à metodologia utilizada para o cálculo dos pontos, mas, em uma análise da tabela, as pontuações parecem coerentes.


Infelizmente, a IAAF não dá tanta atenção quanto poderia a ela. Tanto que, durante todo o Mundial, ela só fez referência a essa pontuação na lista divulgada acima.


Por isso, tive que buscar a pontuação de Darlan manualmente, e comparar com desempenhos dos outros competidores para obter sua posição na lista.


Resultado: o arremesso de 22,53m de Darlan representa o 7ª desempenho mais expressivo de todo o Mundial


À frente da maioria dos medalhistas de ouro.


Ou seja, foi realmente um desempenho espetacular.

A medalha não veio, mas não faltam motivos para ele se orgulhar.


Utilizando tal tabela, a IAAF calculou uma média de pontos obtida pelos atletas melhores colocados, e concluiu, comparando com os outros campeonatos, que esse foi o Mundial mais forte da história:


1. Doha-2019 – 1.024,75 pontos (média) 2. Londres-2017 – 1.012,84 3. Sevilha-1999 – 1.007,98 4. Pequim-2015 – 1.004,78 5. Berlim-2009 – 1.004,55


Para acessar a tabela de pontos da IAAF, acesse este link.


É inevitável fazer uma comparação com a natação. Afinal, poderia haver um sistema que comparasse desempenhos de diferentes provas.


E ha. A Federação Internacional de Natação (FINA) também desenvolveu um sistema.


Mas baseado em um critério duvidoso e que coloca em dúvida sua credibilidade, o que não parece ser o caso do sistema da IAAF.


Isso é um assunto para outro post.


Não se esqueça de também conferir o vídeo sobre o tema no canal do Esportístico no YouTube.




41 visualizações

Entre em contato

Caso tenha dúvidas, críticas, sugestões ou simplesmente queira entrar em contato, preencha o formulário e clique em "Enviar".
  • LinkedIn Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • Instagram
  • Twitter Social Icon
  • YouTube

© 2019 por Daniel Takata.