Buscar
  • Daniel Takata

Quando conhecimento demais atrapalha: o caso do basquete universitário dos EUA

Nos Estados Unidos, durante os playoffs das disputas de basquete do NCAA (liga universitária), os torcedores vão à loucura. Tanto que esse período é conhecido por March Madness, por ocorrer no mês de março e por causar grande frenesi nas torcidas.


Zion Williamson: estrela do último NCAA pela Universidade de Duke e candidato a estrela da NBA nos próximos anos (foto: divulgação/Duke Athletics)

Além da disputa esportiva, há uma outra relacionada que movimenta milhões de pessoas. 25 milhões, para ser mais preciso. Essa é a quantidade de torcedores que arriscam seus palpites em um concurso muito conhecido por lá, tentando adivinhar o resultado de cada jogo.


O concurso é tradicionalíssimo e já tem quase 40 anos.


Os inventores do concurso, originalmente, queriam "determinar, de uma vez por todas, quem sabe mais sobre basquete universitário."


No entanto, após alguns anos e analisando os resultados, muita gente concluiu que o maior candidato a vencedor do concurso seria a pessoa que menos sabe sobre basquete universitário.


Claro que é um exagero. Mas parece evidente que não são as pessoas com maior conhecimento sobre o esporte que têm mais chances de vencer um concurso como esse.


Algumas pessoas atribuem esse fenômeno à incerteza inerente ao jogo. Mas parece haver uma relação de causa e efeito entre muito conhecimento e ir mal no concurso.


Pesquisadores conduziram alguns experimentos ao longo dos anos, intrigados com essa relação, relacionando o conhecimento dos apostadores com seus resultados, e a seguinte curva foi obtida.



Resumindo: a partir de certo ponto, conhecimento demais prejudica os palpites. Os pesquisadores encontraram o mesmo padrão em outros esportes, e até mesmo em outras áreas.


Há algumas explicações possíveis. Uma delas é que a previsão seria uma habilidade pessoal, até de certa forma independente do conhecimento que a pessoa tenha do assunto. As pessoas que fazem melhores previsões tendem a dar um grande peso a, por exemplo, desempenhos passados dos times, ao invés de se enfurnarem em informações específicas e detalhadas.


Outra explicação é que a habilidade de escolher o vencedor é como andar de bicicleta. Algo quase automático. Se você tem essa habilidade e ficar pensando muito, isso pode te prejudicar. Exatamente o que deve acontecer com os grandes conhecedores do assunto quando vão fazer seus palpites.


E, por fim, o fato de a pessoa ser grande conhecedora de basquete não a faz uma especialista nas estratégias para vencer o concurso propriamente dito, que tem regras e diferentes abordagens para uma estratégia vencedora. E tais estratégias são completamente independentes do conhecimento do esporte. Fazer a escolha certa, muitas vezes, demanda conhecimento estatístico, importante para maximizar as probabilidades de sucesso e dar os pesos corretos a cada fator.


Algo parecido ocorre com as apostas esportivas. Um certo nível de conhecimento de estatística e probabilidade é essencial para o sucesso. Você pode ser o gênio dos conhecimentos esportivos, mas sem um raciocínio quantitativo não irá a lugar algum.


Para mais detalhes acerca dos estudos citados neste texto, acesse este link.

136 visualizações

Entre em contato

Caso tenha dúvidas, críticas, sugestões ou simplesmente queira entrar em contato, preencha o formulário e clique em "Enviar".
  • LinkedIn Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • Instagram
  • Twitter Social Icon
  • YouTube

© 2019 por Daniel Takata.