Buscar
  • Daniel Takata

Wimbledon e Roger Federer: combinação perfeita para finais épicas em 5 sets


Roger Federer contra Novak Djokovic na final de Wimbledon (foto: Associated Press/News Tribune)

Ontem, assistimos à épica final do torneio de Wimbledon, talvez o Grand Slam mais tradicional do tênis.


E a final fez jus a toda essa tradição.


Primeiro, o suíço Roger Federer, maior vencedor da história de torneios de Grand Slam com 20 títulos, derrotou o segundo maior vencedor (18) na semifinal no clássico contra o espanhol Rafael Nadal.


Ontem, ele enfrentou o terceiro nesse ranking, o sérvio Novak Djokovic.


Em uma batalha para os anais da história, Djokovic saiu com o título após 4 horas e 55 minutos de partida - a final mais longa da história de Wimbledon, e a segunda mais longa da história dos torneios de Grand Slam.



Desnecessário dizer que o jogo foi a 5 sets. No 5º set, entrou em ação a regra nova, que determina tie-break quando os jogadores empatam em 12 pontos.


Se não fosse por isso, pode ser que Djokovic e Federer estivessem jogando até agora.


Há algumas estatísticas interessantes que envolvem finais de torneios de Grand Slam que vão a 5 sets.


Na era aberta do tênis, ou seja, após jogadores de outros países serem admitidos no Aberto da Austrália, Aberto da França (Roland Garros), Aberto da Inglaterra (Wimbledon) e Aberto dos Estados Unidos, em 1968, 206 torneios de Grand Slam foram disputados.


Em 39 deles, ou 18,9%, as finais foram até o 5º set.


No Aberto da Austrália, foram 7 de 51 finais (13,7%).


Em Roland Garros, 8 de 52 (15,4%).


No Aberto dos Estados Unidos, 8 de 51 (15,7%).


Wimbledon é responsável pelo número mais discrepante: 16 de 52 (30,8%).


Aproximadamente o dobro de ocorrências em comparação aos outros torneios de Grand Slam.


Por que isso ocorre? O estilo de jogo dos tenistas na grama inglesa, superfície muito particular, favorece isso? A velocidade mais rápida do jogo faz com que as coisas fiquem equilibradas?


Pode ser.


E agora segue um outro dado interessante.


Das 39 finais de Grand Slam que foram decididas no 5º set, 9 delas - mais de 25% - tiveram participação de Roger Federer.


Ele disputou até hoje 31 finais de Grand Slam, ou seja, 29% dessas finais foram disputadas em 5 sets.


Roger Federer e Andy Roddick em 2009: outra final histórica em 5 sets em Wimbledon

Para efeito de comparação, Novak Djokovic disputou 25 finais e em 4 (16%) jogou até o 5º set.


Os números de Rafael Nadal, por sua vez, são 5 de 26 (19,2%).


Quem chega mais perto de Federer na história do tênis são justamente Nadal e o sueco Bjorn Borg, com 5 disputas - ou seja, quase a metade.


Pode-se dizer, então, que Wimbledon é o torneio das finais de 5 sets.


E que Roger Federer é o rei de levar finais de Grand Slam até o 5º set.


Como não poderia deixar de ser, a maioria de suas finais em 5 sets ocorreram em Wimbledon: nada menos que 5 de 9!


Federer e Wimbledon, combinação perfeita para finais épicas e históricas em 5 sets.


Como esquecer a batalha de 2008 contra Rafael Nadal, tida por muitos como o maior jogo de tênis da história?


Ou a final de 2009 contra o americano Andy Roddick, com um incrível 16-14 no último set?


A final de ontem também jamais será esquecida.


Será que no ano que vem teremos mais?





26 visualizações

Entre em contato

Caso tenha dúvidas, críticas, sugestões ou simplesmente queira entrar em contato, preencha o formulário e clique em "Enviar".
  • LinkedIn Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • Instagram
  • Twitter Social Icon
  • YouTube

© 2019 por Daniel Takata.